25 de ago de 2011

Meu ralo

Hoje fiz meu showzinho aqui no edifício. Se não gostaram, não estou nem aí. Se vão me chamar de brasileira maluca, não me importa. Se tem uma coisa que me deixa nervosa, subindo pelas paredes, é que se metam dentro da minha casa. Explico. Não é comum ter ralo aqui nas casas. Na cozinha, nem pensar. Nunca fui a uma casa com ralo na cozinha. Em algumas casas, na maioria das vezes em banheiros, a gente encontra um pseudo-ralo, ou seja, é um buraco que tem uma tampa de metal, e que para tirá-la tem que desatarraxar e ser praticamente um He-Man. Ou seja, eu não consigo. O buraco serve no caso de uma inundação, para ter um lugar para a água ir embora. Quando a gente veio morar aqui no apartamento, eu pedi para que colocassem um ralo na minha varanda. Imaginem. Eu moro no primeiro andar,a varanda fica ao ar livre e não tinha ralo. Aqui não chove muito, mas mesmo assim. Não chove, mas um dia pode ser que São Pedro queira que chova. E aí?? Como é que fica? Eu vou falar para ele que não pode porque eu não tenho ralo? Enfim, depois de eu pedir muito, colocaram o meu ralinho. E claro, agora que eu tenho, eu aproveito para lavar a varanda porque fica com muito pó.

Hoje eu resolvi fazer a poda das minhas plantas porque a primavera está chegando e com ela, o sol por estas terras. Cortei, troquei a terra e coloquei remédio contra a mosca branca que ataca minhas flores. A varanda ficou um caos, então, a menina que trabalha aqui em casa me perguntou se queria que ela lavasse o chão. Eu falei que sim, já que era terra pura.

Vim para o computador e de repente escuto um blá blá blá lá fora. Eu pensei que ela estivesse falando com o vizinho, então nem fui ver o que era. Mas ela me chamou e eu acabei indo.

_Senhora, o porteiro disse que eu tenho que passar um pano na varanda, eu não posso lavar.

_Quê?? Ele te disse o quê? - já ficando vermelha.

_Ele disse que eu estou molhando o depósito lá embaixo. Ele disse para eu parar de jogar água, para eu passar um trapo se eu quiser limpar.

_ Quê?? Dentro da minha casa, eu limpo como eu quiser. E por que ele falou gritando lá de fora em vez de interfonar??

(Aqui é muito comum, os apartamentos terem depósitos na garagem, ou seja, é um quartinho, onde só se guarda treco, coisas velhas, bicicletas. Cada um tem o seu.)

E sabe o que me deixou furiosa? O porteiro falar lá de fora, fazendo um escândalo com a menina, em vez de tocar o interfone e contar o problema para mim. Se eu soubesse que havia este problema, primeiro: teria chamado o síndico, segundo: se não estivesse consertado o problema ainda, não jogaria água porque eu não sou maluca. E sabe porteiro puxa-saco? Então, adora puxar um saco de algumas pessoas daqui do prédio.

Quando a empregada me contou o problema, eu que estava de havaianas, joguei as havaianas para o alto, coloquei as botas e saí enfurecida para falar com ele. E não é que ele estava na porta da minha cozinha, quase tocando a campainha? Provavelmente, escutou algumas coisas que eu disse na varanda. Aí, ele mudou o tom. E eu lhe disse que se tivesse algum problema, que ele falasse primeiro comigo, depois com o síndico, e que não ficasse gritando lá de fora. E que se ele sabia antes do problema, deveria ter avisado antes a mim e ao síndico, e não gritado daquela maneira com a menina. E que se ele sabia mesmo que isso acontecia, como ele estava me contando, deveria ter dito isso há muito tempo para consertar. Tudo com o sangue quente, fervendo e claro, não sou da Bahia, mas rodei a baiana. Pensando agora depois que passou, foi até cômico. À medida que eu ia falando, o porteiro ia retrocedendo os passos. Sabe desenho animado? Quando o monstro abre a boca para dar um rugido e todo mundo vai andando pra trás até sair voando.

Não é a primeira vez que este homem me dá nos nervos. Outro dia, eu estava andando à vontade na minha casa quando vejo um senhor com a cara no vidro da minha varanda, sem eu saber quem era, olhando toda a minha casa. Eu, que estava sozinha em casa, quase morro de susto e quando vi, o cara estava numa escada, raspando a parede. Era o pintor. Que pintor? Se ninguém me avisou que ia haver um pintor olhando para minha casa? Desci com uma raiva e quem estava ali? O tal porteiro. Ele tinha mandado o cara pintar a minha parte sem me avisar. Ou seja, escolhemos um apartamento sem vista para outro apartamento justamente porque não queríamos "olhos" dentro de casa e quando eu vou para a sala, quem eu encontro? Uma cara no meu vidro, olhando toda a minha casa. Desci furiosa e falei que qualquer pessoa que fosse trabalhar de cara para minha casa, eu deveria ser avisada e não encontrar de repente uma pessoa quase dentro da minha sala.

Blog: CHOLITAS

2 comentários:

Anônimo disse...

q feio.. volta para o brasil amiga..
pq morar em outro lugar sem classe num rola.. nota zero pra vc!!

Anônimo disse...

hj VC já deve estar habituada ... o motivo de não ter rlo é que o chão é oco ... não é lage como no Brasil ... assim como as paredes são ocas também ... chama-se drywall ... uma mistura de gesso etc ... por isso não da p molhar ...